Passado a Limpo ou

Do Difícil Diálogo com a Palavra que me Cria ou

    …É  …Quando se Pergunta, Encontra-se Resposta.  

E o desabafo triste do momento de silêncio existe.

Um resumo de tristeza e alegria com o mundo.

Um encontramento com o mundo.

Uma aceitação com o mundo que se afigura para mim na minha realidade.

Minha comunhão com o mundo.

Meu encontro comigo e com o outro – o próprio mundo.

Borges diz que a leitura e a escrita NOS APARTAM DO MUNDO.

O apartar de Borges talvez seja não o mesmo que o meu.

O meu apartar do mundo é para depois apertá-lo contra o peito,

abraçá-lo e amá-lo de jeito que ele é.

Por que assim se desenhou para mim e para quem quer que nele esteja.

Escolhas são compromissos de amor com o caminho.

Embora não somos nós às vezes que as tomamos.

Essa onipotência…

Muitas vezes somos tomados por elas.

E minha imaginação está em paz.

E sabe dos limites do corpo e da alma.

Lembro sempre

penso com o ar, livre, alegre,

mas planto com as mãos.

Penso com a imaginação, escrevo com as mãos.

Corpo e alma presentes.

Mais que tudo. Planto com as minhas mãos.

E ando a passos reais,

vivos e sóbrios.

Ando a passos possíveis.

E passo por possíveis monstros…

E estão todos dentro de mim.

E neles me transformo.

E com eles caminho.

E com eles tento conversar vez em quando.

Tento ser sincera com tudo que o mundo me oferece.

E tudo que escolho

E tudo que ex-colho

E tudo que colho: dissabores, amores, gentilezas, dores

Disso tudo faço alimento pro meu coração.

E disso tudo sou grata.

E esses afetos todos

tento retribuir através delas, mãos, palavras.

Como Violeta Parra.

É simples assim, a vida.

Talvez exista uma criança assombrada e alegre,

Mas que já está sentada em meu colo de serpente.

E eu canto cantigas para ela.

E ela também me alimenta com seu olhar manso e feliz

Que me conta de um tempo outro, de um tempo futuro e passado,

onde moram os seres imaginários de Jorge Luiz Borges.

E eu apenas cumpro o ofício de noticiar isto em forma de poesia… nada mais.

Poeta sem frenesi, sem fantasia.

É simples assim o mundo.

Mais uma vez o duplo, dois mundos, duas realidades distintas,

duas figuras em uma mesma escrita.

Como ontem que houve duas luas no céu:

uma, a própria,

e a outra, marte (o deus da guerra!) que cresceu.

Marte criou impropérios no céu.

E não há lugar para loucuras por aqui, nestes versos.

Concretos.

Versos de deserto. De lápis. De papel.

E mesmo assim

Sinto que as palavras às vezes promovem abismos de entendimentos.

(…de mim mesma com a Palavra que me cria…)

Sinto que existe uma realidade daqui que não se sabe.

4 comentários sobre “Passado a Limpo ou

  1. Todos tenemos dentre de si una especie de conspiración dunámica
    que se mueve mientras vivimos. No es otra cosa que la lucha del bien y el mal; y que a veces se revela hasta convertirse en blanco y negro.Congratulaciones.

  2. Todos temos o tempo todo esses momentos do passado, passado a limpo, simplesmente pra a partir dali prosseguir com o presente leve e livre… Não é fácil não nos desprender de certas coisas.
    Um bom texto viu?
    As palavras lhe flui livremente, parabéns.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s