história de uma velha menina triste

         Ontem encontrei um anjo. Daqueles anjos que são meio diabólicos também, porque nos colocam contra a parede e apresentam dialéticas. Nos fazem perguntas sem nada saber de você. O anjo vestido de preto passou só por perto. Não me viu, ou fingiu, ou não quis mais sentar no meu ombro e ditar perguntas no meu ouvido. Eu também estava de negro e ele deve ter percebido como estava cansada e triste. Por isso, talvez, tenha me deixado quieta (sei que pôde haver outros motivos na cabeça deste anjo, mas como ainda não sei falar bem a linguagem deles – um dia saberei, prefiro achar que foi porque quis me poupar mesmo… assim este anjo fica mais anjo que diabo). Eu caminhava com os olhos baixos, pensando em tudo, pensando em nada, e um anjo negro passou. Olhei para trás para ver se ainda podia lhe dizer algo. Ou para ver se ele me trazia algum presente, alguma alegria, alguma esperança, qualquer mensagem. E o anjo não olhou para trás e eu apenas vi seus cachos de cabelo voando. Me deu um arrepio e meu coração se apertou ainda mais. Numa vez, no tempo dos avós de nossos avós…, este mesmo anjo apareceu em meus sonhos, nesta mesma forma de agora e desaparecia desta mesma maneira e eu só via seus cachos de cabelo voando e ele indo embora…
         Muitas dores se passaram agora por mim. Muitas alegrias, muitos trabalhos, alguns problemas, difíceis e antigos problemas, quase ancestrais (é a primeira vez que falo de minha tristeza neste blog… eu acho).
         Nesta temporada que fiquei sem escrever, vivi muito. Um trabalho bonito e bacana me pegou de jeito. Tudo ficou parado por necessidade. E as aulas começaram e trabalhos pintaram e problemas surgiram. Neste meio tempo consegui abrir Cecília. Tinha escolhido uma poesia chamada “Música” para mim. Ia colocá-la aqui, mas, quando abri o livro para procurá-la, dei de cara com esta que tenho achado a mais bonita de todas, a poesia que eu queria ter escrito agora.
         Escolhi esta “Perspectiva” para deixar por aqui, como me deixou o anjo negro.

perspectiva-cecilia-meireles.jpg

Anúncios

3 comentários sobre “história de uma velha menina triste

  1. hola! me encanta a profundidade dos escritos de Cecília, a clareza e perplexidade que há um versos que a descrevem.Existe algo, nao sei bem o que me liga a ela de maneira muito pessoal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s